quinta-feira, 29 de abril de 2010

JUSTIÇA ELEITORAL JÁ DETERMINOU 100 ELEIÇÕES SUPLEMENTARES PARA 2010 EM TODO BRASIL!

A Justiça Eleitoral já determinou 100 eleições suplementares depois do pleito municipal de 2008.
Em 5 de outubro de 2008 foram eleitos os prefeitos das 5.563 cidades brasileiras. Desse total, no entanto, os eleitores de pelo menos 100 municípios de 24 estados já voltaram, ou voltarão às urnas até junho deste ano, para escolher o novo chefe do Executivo municipal, porque o candidato mais votado teve o registro cassado pela Justiça Eleitoral.
De acordo com a jurisprudência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), quando o registro do candidato ao Executivo é cassado, os votos dados a ele são anulados. Dessa forma, se o candidato conseguiu mais de 50% dos votos válidos já no primeiro turno, o segundo colocado não pode assumir a vaga. A eleição é anulada e é marcado um novo pleito pelo Tribunal Regional Eleitoral do respectivo Estado.

Muito em breve, ainda esse ano, precisamente em junho, segundo informações divulgadas pelo próprio Tribunal Superior Eleitoral, teremos novas eleições municipais em nossa cidade, já que o objetivo é cumprir com o calendário de eleições suplementares ainda este ano, em todo país.

Por isso, vai um alerta para nossos  eleitores:

Falar de política, não é difícil. Mas difícil é dar uma resposta clara e objetiva, pois, a política é muito abrangente. Na maioria das vezes, acredita-se que tem muito haver com discussão entre as pessoas no intúito de buscar uma solução para “o problema”.
Apesar da importância deste assunto, são poucos os interessados, pois, a maioria da socideade foge do tema política, achando que isso é dever somente de quem está no poder, mas não sabem, que são eles que acabam fortalecendo ainda mais a chance dos desonestos se corromper com facilidade e continuar enganando o povo. Quem não participa da política, será só mais um tendo o trabalho de votar, além disso estará votando em vão.
Entretanto, apesar da evolução de um sistema eleitoral isento de problemas não estar completa, com o advento da Lei 9.504/97, que regula as eleições em geral, em especial o artigo 41-A, que foi acrescentado pela Lei 9.840 de 28 de setembro de 1999, o processo eleitoral, ao menos teoricamente, passou a dispor de mais rigorismo e celeridade na punição dos políticos corruptos.
Apenas para exaltar a importância do problema, a repressão penal dos abusos eleitorais vem de longa data. Na Antiga Roma, durante a República, a aliciação dos eleitores em busca de seus votos mediante dinheiro ou favores, exercida pelos candidatos e pelas associações políticas, era punida com rigor, ao ponto de existir uma proibição feita aos pretendentes a cargos eletivos de vestirem, nos lugares públicos, trajes que os diferenciassem de seus concidadãos. Porém, como vem de longe a fraqueza da lei ante os interesses eleitoreiros, tal proibição caiu em desuso.
 
Sobre o artigo 41-a, da Lei Eleitoral, encontramos a seguinte decisão do TSE, cujo acórdão é o seguinte:

REPRESENTAÇÃO PELA PRÁTICA DE CONDUTA VEDADA PELO ART. 41-A DA LEI Nº 9.504, DE 1997. CASSAÇÃO DE REGISTRO. TERMO INICIAL DO INTERREGNO PREVISTO NA NORMA INDICADA. FINALIDADE ELEITORAL PARA A CARACTERIZAÇÃO DA CONDUTA PUNÍVEL. 1. O termo inicial do período de incidência da regra do art. 41-A da Lei 9.504, de 1997, é a data em que o registro de candidatura é requerido, e não a do seu deferimento. 2. Para a caracterização de conduta descrita no art. 41-A da Lei 9.504 de 1997, é imprescindível a demonstração de que ela foi praticada com o fim de obter o voto do eleitor (Acórdão nº 19.229, de 15.02.2001 – Recurso Especial Eleitoral nº 19.229 – Classe 22ª/MG (259ª Zona – São Lourenço). Relator: Ministro Fernando Neves. Recorrentes: Coligação Reconstrução (PL/PDT/PSD/PTB) e outros. Advogados: Dr. João Luiz Pinto Coelho Martins de Oliveira e outros. Recorrido: Clóvis Aparecido Nogueira. Advogados: Dr. Bonifácio José Tamm Andrada, Dr. Carlos Henrique de Souza e outros. Decisão: Unânime em não conhecer do recurso).



Sinceramente, não acreditávamos muito no que diziam pelas ruas, esquinas, praças e programas de rádio, mas eis a constatação. A julgar pelas informações disponíveis no sítio do TSE, o processo contra JB está no ponto para ser terminado.
Confira a quantidade de municípios, por estado, em que já foram marcadas eleições suplementares:
Estado
Número de Municípios
Acre
02
Alagoas
06
Amazonas
03
Bahia
04
Espírito Santo
01
Goiás
03
Maranhão
06
Mato Grosso
02
Mato Grosso do Sul
02
Minas Gerais
21
Pará
02
Paraíba
03
Paraná
05
Pernambuco
03
Piauí
06
Rio de Janeiro
01
Rio Grande do Norte
02
Rio Grande do Sul
03
Rondônia
01
Roraima
02
Santa Catarina
06
São Paulo
05
Sergipe
03
Tocantins
08
                                       Total de Municípios:  100

VEJA O PROCESSO DA CASSAÇÃO DO PREFEITO DA NOSSA CIDADE NA ÍNTEGRA.
COLAMOS DO SITE DO TSE VEJAMOS  AS ÚLTIMAS MOVIMENTAÇÕES:
Obs.: Este serviço é de caráter meramente informativo, não produzindo, portanto, efeito legal.
PROCESSO:   RESPE Nº 36470 - Recurso Especial Eleitoral UF: RN
JUDICIÁRIA
Nº ÚNICO:   4267557.2009.600.0000
MUNICÍPIO:   RIACHUELO - RN N.° Origem: 9123
PROTOCOLO:   248472009 - 04/11/2009 13:21
RECORRENTES:   PAULO BERNARDO DE ANDRADE JÚNIOR
RECORRENTES:   CLEUDISSON DE AZEVEDO CRUZ
ADVOGADO:   ERICK WILSON PEREIRA
ADVOGADO:   VERLANO DE QUEIROZ MEDEIROS
ADVOGADO:   MARIA CRISTINA CAMPELO DE SOUSA PEREIRA
ADVOGADO:   LEONARDO PALITOT VILLAR DE MELLO
ADVOGADO:   JANAÍNA MARIA CORREIA AQUINO RAMOS
ADVOGADO:   MARÍLIA CASTELLANO PEREIRA DE SOUZA
ADVOGADO:   ADRIANO TRINDADE DE OLIVEIRA ALVES
ADVOGADO:   LEONARDO PALITOT VILLAR DE MELLO
RECORRIDA:   COLIGAÇÃO LIBERDADE DO POVO (PMDB/PT/PTB/PSDB/PR)
ADVOGADO:   FELIPE AUGUSTO CORTEZ MEIRA DE MEDEIROS
ADVOGADO:   THIAGO CORTEZ MEIRA DE MEDEIROS
ADVOGADO:   AFONSO ADOLFO DE MEDEIROS FERNANDES
ADVOGADO:   ESEQUIAS PEGADO CORTEZ NETO
ADVOGADO:   HERTA TERESA FRAGOSO CAMPOS OLIVEIRA
ADVOGADO:   CAROLINE MELO CORTEZ MOURA DE OLIVEIRA
ADVOGADO:   FLÁVIO HENRIQUE MELLO MEIRA DE MEDEIROS
RELATOR(A):   MINISTRO MARCELO HENRIQUES RIBEIRO DE OLIVEIRA
ASSUNTO:   AÇÃO DE INVESTIGAÇÃO JUDICIAL ELEITORAL - ABUSO DE PODER ECONÔMICO - ABUSO DE PODER POLÍTICO/AUTORIDADE - CAPTAÇÃO ILÍCITA DE SUFRÁGIO - CONDUTA VEDADA A AGENTE PÚBLICO - PREFEITO - VICE-PREFEITO
LOCALIZAÇÃO:   GAB-MR-GABINETE DO MINISTRO MARCELO RIBEIRO
FASE ATUAL:   20/04/2010 13:48-Recebido
 
 
Andamento Distribuição Despachos Decisão Petições Todos
Andamentos
Seção Data e Hora Andamento
GAB-MR 20/04/2010 13:48 Recebido
CPRO 19/04/2010 16:30 Enviado para GAB-MR. Conclusos ao Relator .
CPRO 15/04/2010 10:38 Publicação em 15/04/2010 Diário da Justiça Eletrônico Pag. 13-14. Despacho em Petição de 09/02/2010
CPRO 12/04/2010 17:32 Aguardando publicação de despacho prevista para 15.4.2010.
CPRO 12/04/2010 16:16 Juntada do documento nº 2.500/2010 Original do Protocolo nº 2.398/2010.
CPRO 12/04/2010 15:13 Juntada do documento nº 2.398/2010 Revogação de Mandato por Erick Wilson Pereira e Outros.
CPRO 12/04/2010 15:06 Juntado o Parecer da PGE nº 63.467.
CPRO 12/04/2010 10:01 Recebido
PGE 12/04/2010 08:54 Enviado para CPRO. Com parecer
PGE 09/11/2009 09:28 Recebido
GAB-SJD 06/11/2009 18:12 Enviado para PGE. Vista à PGE
GAB-SJD 06/11/2009 18:10 Recebido
CPADI 06/11/2009 17:02 Enviado para GAB-SJD. Para vista à PGE
CPADI 06/11/2009 17:02 Liberação da distribuição. Distribuição por prevenção em 05/11/2009 MINISTRO MARCELO RIBEIRO
CPADI 06/11/2009 11:39 Montagem concluída
CPADI 05/11/2009 18:48 Enviado para Montagem
CPADI 05/11/2009 13:40 Autuado - REspe nº 36470
CPADI 05/11/2009 13:10 Recebido
SEPRO 04/11/2009 14:55 Encaminhado
SEPRO 04/11/2009 14:55 Documento registrado
SEPRO 04/11/2009 13:21 Protocolado
Distribuição/Redistribuição
Data Tipo Relator Justificativa
05/11/2009 Distribuição por prevenção MARCELO RIBEIRO Artigo 16, § 6º do RITSE
Despacho
Despacho em Petição em 09/02/2010 - Protocolo 2.398/2010 MINISTRO MARCELO RIBEIRO
DESPACHO Junte-se. Venha aos autos o original da documentação que acompanha a petição de Protocolo nº 2.398/2010. Observo que o Dr. Adriano Trindade de Oliveira Alves não subscreve a referida petição, o que torna subsistente, em relação a ele, o mandato outorgado. Publique-se. Brasília-DF, 9 de fevereiro de 2010. Ministro Marcelo Ribeiro, relator.
Petições
Protocolo Espécie Interessado(s)
ESCLARECIMENTOS: É princípio constitucional o Direito à informação, resguardado o sigilo da fonte. Embora haja esta ressalva, as informações prestadas aqui partiram do site oficial do TSE, mais precisamente do Centro de Divulgação da Justiça Eleitoral, edição eletrônica do dia 28 de abril de 2010. Todo processo é de ordem pública, a menos que a lei restrinja a publicidade e os operadores do Direito, com base na lei, declarem o segredo de Justiça, o que não parece ser o presente caso, já que toda sequencia de procedimentos está disponível na rede, e essa disposição se alastra, não só para o Brasil, mas também para o mundo inteiro - dada a abrangência da world wide web (Rede mundial de Computadores, internet). O que se pretendeu aqui foi informar quanto à iminência de um acontecimento, que traz a conotação de uma ânsia popular, exausitvamente comentada e aguardada, com relutância de uns e grande expectativa de outros. Entendemos não haver sido atropelado o princípio da presunção de inocência de um agente político, dada à clara publicidade de um processo judicial, que parece estar na iminência de uma fase final. Se para alguns há esse atropelo, entendemos aqui o conflito entre dois princípios, no qual o individual, em tese, pode ser suplantado pelo princípio da publicidade dos atos processuais. Comentários anônimos ainda são admitidos, mas as agressões vexatórias, sem fundamento, desprovidas da elementar razão, recheadas com palavras de baixo calão e expressões indecorosas serão sumariamente deletadas, sem prejuízo do seu rastreamento e das consequencias judiciais cabíveis.

quinta-feira, 15 de abril de 2010

RESULTADO DA NOSSA ENQUETE: INTERNAUTAS PREFERIRAM DR. PEDRO E JORGE DO RESTAURANTE EM 2012 (OU EM 2010)???





Finalmente, sobre a nossa enquete, sobre os prováveis (e fictícios) candidatos às eleições majoritárias de 2012, para os cargos de Prefeito e Vice-Prefeito. votaram 239 internautas, durante 2 (dois) meses, apresentamos o seguinte resultado:


          DR. PEDRO E JORGE foram os mais votados, ficando em primeiro lugar, com 39 % (trinta e nove por cento) dos votos. Estes dois candidatos, que não conseguiram se eleger na campanha de 2008, ainda poderão concorrer ainda este ano, para um novo pleito eleitoral que se aproxima.



Em 2º lugar, os internautas manifestaram suas preferêcians por OUTROS candidatos, com 22 % dos votos. Preferimos não citar nomes, ficando ao critério do eleitor sua preferência. Alguns internautas comentaram que, dentre estes candidatos, da opção outros, poderiam surgirm nomes como os nomes dos vereadores Jorlan Kardec, Joca Basílio e Neguinho Gaby, dentre outros. (Nota: não conseguimos imagens de prováveis candidatos da opção OUTROS).
                        ????????




Em 3º lugar, os internautas optaram pela opção CAETANO E MARA, com 20 % (vinte por cento) dos votos. O nome de Caetano foi colocado por mera especulação, mas que o mesmo se destacou na pesquisa. até hoje não se sabe sobre sua candidatura. estes nomes, do terceiro lugar, ultrapassaram até mesmo a opção Mara e Caetano.



Em 4º lugar, os internautas optaram pela chapa MARA E CAETANO, com 9 % (nove por cento) dos votos. Mara, por ser a pré-candidata do atual prefeito, desde 2004, sendo público e notório que a mesma acalenta o sonho de sentar na cadeira do Executivo em 2012, é um nome possível, apesar de apresentar-se, no partido da situação, um nome que ultrapassa o seu (o próprio candidato que aparece como vice, nesta chapa).




Em 5º lugar, com 3% (três por cento) dos votos, ficou a chapa MARCÍLIO E MARA. Aqui ocorreu uma surpresa, em vista da notória liderança de Marcílio. Alguns internautas comentaram que a rejeição dessa chapa refletiu a improvável junção dos supostos candidatos. Tivemos a intenção de experimentar nomes, até mesmo de palanques opostos, e depreendemos que essa chapa talvez não tenha a menor possibilidade de ocorrer.




Em 6º lugar, CAETANO E DR. PETRÔNIO, com 2 % (dois por cento) dos votos. Para nós, essa também foi uma surpresa, em vista da enorme empatia que muitos conterrâneos têm com Dr. Petrônio, inclusive por causa de sua profissão, de médico, estando sempre em contato com os mais pobres. Comenta-se, no Município, que o mesmo será candidato a prefeito, juntamente com Jorge do Restaurante, em 2012.





Em 7º lugar, ficou a chapa com os nomes de JORGE E DOUTOR PEDRO, com 2 % (dois por cento) dos votos. O interessante dessa pesquisa é que uma mesma chapa, mudando apenas a posição dos nomes e dos cargos, teve curiosa votação. Doutor Pedro e Jorge ganharam em primeiro. Jorge e Doutor Pedro, com a chapa assim invertida, ficaram com empate técnico, com Caetano e Dr. Petrônio. A curiosa chapa revela, porém, que estes nomes estão na frente, e chama a atenção porque, provavelmente, teremos uma campanha, não em 2012, mas em muito breve, já que o Processo de Cassação do atual prefeito, Junior Bernardo, começou a se movimentar em Brasília, no Tribunal Superior Eleitoral (www.tse.jus.br, acesse o link acompanhamento push e digite o nome do prefeito de Riachuelo/RN).







A pesquisa revela, também, o interesse peculiar dos internautas pelo tema política. Nos surpreendemos com a excelente votação.  Agora veja, na íntegra, o resultado da pesquisa:



MARCÍLO E MARA 8 votantes (3%)



CAETANO E DOUTOR PETRÔNIO 6 seis votantes (2%)


MARA E CAETANO 23 votantes (9%)


DOUTOR PEDRO E JORGE 94 votantes (39%)


JORJE E DOUTOR PEDRO 6 votantes  (2%)


CAETANO E MARA 49 votantes (20%)


OUTROS 53  votantes (22%)




ESCLARECIMENTOS: Essa reportagem tem como fundamento o direito de expressão, previsto como Direito e Garantia Fundamental, insculpido na Constituição Federal de 1988, a qual consagra ser "livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato". As fotos das pessoas mencionadas estão disponíveis na rede mundial de computadores (internet), em diversos blogs e sítios de relacionamento. Os nomes das pessoas mencionadas foram mantidos, por se tratar de pessoas públicas que, de uma forma ou de outra estão envolvidos com a política local.
não se pretendeu aqui anunciar a cassação de um político, mas apenas informar sobre provável mudança no quadro político-administrativo de Riachuelo. O  processo judicial que corre no TSE é de ordem pública, e também está disponível na rede.
Trata-se de uma enquete e não de uma pesquisa eleitoral, de modo que não reflete a intenção da maioria dos eleitores, reflete apenas o pensamento da maioria dos internautas, que se dispuseram a votar na enquete.
Comentários anônimos são permitidos, respeitados alguns limites. Expressões injuriosas, caluniosas, agressivas e com manifesta fuga do tema serão rastreadas e deletadas, sem prejuízo das consequências judiciais cabíveis.
O Ministério Público tem conhecimento do blog e poderá ser acionado diante de eventuais abusos.









quinta-feira, 8 de abril de 2010

O BRASIL , A DEMOCRACIA, E A COMPRA DE VOTOS!


Falar de política, não é difícil. Mas difícil é dar uma resposta clara e objetiva, pois, a política é muito abrangente. Na maioria das vezes, acredita-se que tem muito haver com discussão entre as pessoas no intúito de buscar uma solução para “o problema”.
Apesar da importância deste assunto, são poucos os interessados, pois, a maioria da socidade foge do tema política, achando que isso é dever somente de quem está no poder, mas não sabem, que são eles que acabam fortalecendo ainda mais a chance dos desonestos se corromper com facilidade e continuar enganando o povo. Quem não participa da política, será só mais um tendo o trabalho de votar, além disso estará votando em vão. 

Como os eleitores escolhem os seus candidatos em eleições? Esta pergunta intriga cientistas políticos há meio século (Campbell, 1960) e desafia, em tempos de eleição, os consultores das campanhas eleitorais. Os profissionais da área tendem a concordar que o eleitorado segue um conjunto de motivações na escolha da preferência política. Existem diferentes tipos de votos, como o voto ideológico, o voto pessoal ou o voto circunstancial (Grandi, 1992, p.29). Dentro deste raciocínio, somente uma pequena parcela do eleitorado seguiria convicções políticas na escolha do candidato. Uma grande parte dos eleitores apoiaria candidatos que possuem sua confiança pessoal, principalmente em eleições locais. Ao contrário destes compromissos de longo prazo, denominados votos ideológicos e votos pessoais, um terceiro grupo estaria disposto a decidir seu voto espontaneamente, em função de diversos motivos ligados à forma como candidatos e programas são apresentados. Sobre esta parcela do eleitorado, indeciso e volátil, a arte de apresentar conteúdos e pessoas na mídia, o marketing político, teria um grande impacto.


É interessante notar que aqui, como em outros modelos similares, não consta o voto comprado, uma modalidade do comportamento eleitoral presente em vários países. No caso do Brasil, denúncias veiculadas pela imprensa, casos investigados pela Justiça Eleitoral e iniciativas da sociedade civil para combater o fenômeno da compra de votos são testemunhos de que esta prática é um fator relevante para uma parte do eleitorado na definição do seu candidato. É compreensível que os consultores não incorporem esta modalidade nos seus manuais, no entanto, surpreende que as ciências sociais tenham dedicado pouca atenção ao fenômeno. As referências internacionais predominam sobre as análises brasileiras desta prática1. O presente texto aborda este segmento das construções teóricas sobre o clientelismo eleitoral de forma sucinta. Estas considerações conceituais e uma retrospectiva histórica destinam-se ao preparo do terreno para a análise e a interpretação dos dados empíricos.


A manipulação das eleições populares foi uma prática comum na transição para os regimes de democracia representantiva. Com a conquista dos princípios da soberania popular e do sufrágio universal, o processo eleitoral ganhou um peso sensível na evolução política. Afinal, seria este mecanismo que definiria a distribuição do poder político em regimes representativos, substituindo princípios como a hereditariedade ou a usurpação do poder. 

Mas, via de regra, as noções da liberdade de escolha, da competição eleitoral e da administração isenta, associadas à noção de eleições, ainda estavam longe de descrever o contexto social e político no qual os processos eleitorais se realizavam. Nas democracias emergentes, as possibilidades de manipulação das eleições populares são múltiplas. A competição política muitas vezes restringe-se a uma disputa entre elites concorrentes, que possuem um controle amplo sobre segmentos inteiros do eleitorado. Mas ao mesmo tempo, os atores políticos desenvolvem um senso crítico aguçado para detectar as deficiências do processo eleitoral em todas as suas variações. Estas incluem o uso da máquina governamental para favorecer candidatos, a influência ilícita do poder econômico sobre as eleições ou manipulações referente à administração das eleições. A garantia da lisura do processo eleitoral é um desafio universal para a consolidação dos regimes democráticos. Mas a fraude, a manipulação e a corrupção eleitoral têm uma coloração específica, dependendo do contexto político e histórico.

Para fins de análise, trato separadamente questões específicas como a imparcialidade da administração das eleições, o papel do poder econômico no financiamento das campanhas e a independência do eleitor na manifestação do seu voto. 





Independência do eleitor: Um terceiro assunto relacionado à integridade das eleições é a prática da compra de votos. A compra de votos obviamente não consta de nenhum dos manuais de campanha eleitoral. Para alguns, a troca do voto por materiais de construção, por remédios ou mesmo por dinheiro é um fenômeno em extinção, sem relevância prática ou peso numérico. Para outros, ela é um dos grandes fatores para a distorção do processo eleitoral. Mas a questão não era debatida com base em levantamentos empíricos quantitativos, comparáveis ao aqui apresentado. Antes de comentar os números da pesquisa projetada pela Transparência Brasil e realizada pelo IBOPE - Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística, faz-se necessária uma avaliação do significado da compra do voto, bem como uma pequena retrospectiva histórica do fenômeno no Brasil.





O voto negociado: Não é o caso aqui de analisar as práticas do mandonismo local, o coronelismo e outras modalidades deste fenômeno na literatura. Mas há uma transição decisiva de voto alienado para o voto negociado. Na medida em que as relações de dependência socioeconômica entre eleitor e patrão enfraquecem e com a garantia do segredo eleitoral, a posição do eleitor no processo político passa por uma transformação. A instrumentalização do eleitor no processo eleitoral, tanto pela elite local como pelos candidatos, passa de uma fase de imposição e coerção social para outra fase da sedução material. E no horizonte surge um papel completamente novo para o eleitor na medida em que ele se torna mais informado e emancipado através dos meios de comunicação de massa.




sexta-feira, 2 de abril de 2010

VEJAM DIFERENTES VISÕES DO CRISTIANISMO SOBRE A PÁSCOA!

A Páscoa , significando passagem através do grego  é um evento religioso cristão, normalmente considerado pelas igrejas ligadas a esta corrente religiosa como a maior e a mais importante festa da Cristandade. Na Páscoa os cristãos celebram a Ressurreição de Jesus Cristo depois da sua morte por crucificação (ver Sexta-Feira Santa) que teria ocorrido nesta época do ano em 30 ou 33 da Era Comum. O termo pode referir-se também ao período do ano canônico que dura cerca de dois meses, desde o domingo de Páscoa até ao Pentecostes.
Os eventos da Páscoa teriam ocorrido durante o Pessach, data em que os judeus comemoram a libertação e fuga de seu povo escravizado no Egito.
A Páscoa é um dia importante no calendário litúrgico das religiões cristãs, porque celebra-se a ressurreição de Jesus Cristo. Mas, há algumas diferenças entre algumas delas como a católica, protestante metodista e espírita kardecista.
A kardecista, por exemplo, não comemora a páscoa. Para os protestantes metodista, não é necessário deixar de comer carne vermelha. Já entre os católicos há o costume de se fazer procissões. Em comum em todos os segmentos cristãos é o exemplo de vida que Jesus deixou.


                                                                  CATÓLICOS
O padre católico e professor do curso de Teologia, João Justino (foto ao lado), diz que para liturgia católica, a Páscoa é a festa mais importante que celebra o ponto central de crença e verdade, através da ressurreição de Cristo. "É uma festa de ensinamento, vinculante à fé. Na igreja católica, envolve todo o período da Quaresma, de penitência até o Trido Pascal", explica.
O Trido Pascal começa na quinta-feira, com a Santa Ceia, depois a sexta-feira, que relembra a Paixão de Cristo e o sábado, em que acontece a Vigília Pascal. Nestes três dias, que precedem a Páscoa, o que predomina são as celebrações na igreja. "Mas há comunidades que fazem teatro e outros tipos de celebrações para integrar a comunidade".
Em família, na quinta-feira, a indicação é fazer uma ceia que recorde a ceia de Jesus com os apóstolos e "eleger algum gesto que expresse o cuidado com a vida em sintonia como o lava pés, como incluir os deficientes e os enfermos". Na sexta, o jejum, a abstinência da carne e o recolhimento. O sábado é o dia de silêncio. No domingo, dia festivo, da vitória da vida sobre a morte.
Na tradição católica, a Páscoa se prolonga por cinqüenta dias, na Festa de Pentecostes com a descida do Divino Espírito Santo. "Um período para revitalizar a própria fé, dando testemunho", comenta o padre.

                                                 ESPÍRITAS
Na doutrina espírita, não há comemoração da Páscoa. Para os adeptos da religião, não existiu ressurreição. "Cientificamente, é impossível. O que houve foi uma aparição do corpo espiritual, que é algo natural. A vida de Jesus é cheia de exemplos. Não há motivo para se fixar em sua morte", dizem as espíritas, Denise Ribas Ribeiro e Alcimara Miana Machado.
Pessoas de outras religiões que buscam o espiritismo acreditam que vão encontrar alguma comemoração na Páscoa. "Esclarecemos o porquê de não comemorarmos. Inclusive nas aulas não há o que falar sobre o assunto, só se perguntarem e novamente dizemos o motivo. O que explicamos nos cursos são o mundo espiritual, a imortalidade da alma, a comunicabilidade, a reencarnação, a pluralidade dos mundos habitados e a lei de causa e efeito".
                   

                                                   PARA OS PROTESTANTES:

Para os protestantes, o dia mais rico é domingo de Páscoa. Eles não dão tanta ênfase ao julgamento de Cristo. "O significado da Páscoa é de renovação e pacto com Deus. O eixo teológico comum no segmento cristão é a ressurreição, mas há formas diferentes de ênfase", diz o pastor metodista e professor do curso de Teologia, Messias Valverde (foto ao lado).
A instituição da Ceia (João 13:1-15) é lembrada na quinta-feira, mas não existe culto na igreja. Na sexta, há encontros, mas o enfoque é para dimensão do perdão de Cristo crucificado para com o ladrão (Lucas 23:33-43). O jejum é recomendado, mas não há obrigatoriedade.
"É mais uma reflexão durante as orações". O sábado é um tempo mais reflexivo, de tristeza pela morte de Cristo. "A recomendação oficial é de reunião no templo de 22h de sábado à meia-noite, porque ainda não se tem a notícia da ressurreição", explica.
O domingo é festivo. "Destacamos a notícia de Cristo ressurreto trazido pelas mulheres (Lucas 24:1-12) durante a madrugada e à tardinha, o encontro de Jesus com os "Caminheiros de Emaús" (Lucas 24:13-25)".


Nossa visão sobre a páscoa começa no Judaísmo. O Livro de Êxodo, segundo da Bíblia Sagrada dos cristãos, relata a história de LIBERTAÇÃO do povo judeu da escravidão do Egito. No capítulo 12 há o seguinte relato: "O Senhor disse a Moisés e a Arão, no Egito: 'Este deverá ser o primeiro mês do ano para vocês. Digam a toda a comunidade de Israel que no décimo dia deste mês todo homem deverá separar um cordeiro ou um cabrito, para sua família, um para cada casa. Se uma família for pequena demais para um animal inteiro, deve dividi-lo com seu vizinho mais próximo, conforme o número de pessoas e conforme o que cada um puder comer. O animal escolhido será macho de um ano, sem defeito, e pode ser cordeiro ou cabrito. guardem-no até o décimo quarto dia do mês, quando toda a comunidade de Israel irá sacrificá-lo, ao pôr do sol. Passem, então, um pouco do sangue nas laterais e nas vigas superiores das portas das casas nas quais vocês comerão o animal. Naquela mesma noite comerão a carne assada no fogo, com ervas amargas e pão sem fermento. Não comam a carne crua, nem cozida em água, mas assada no fogo: cabeça, pernas e vísceras. Não deixem sobrar nada até pela manhã; caso isso aconteça, queimem o que restar. Ao comerem, estejam protnos para sair: cinto no lugar, sandálias nos pés e cajado na mão. Comam apressadamente. Esta é a Páscoa do Senhor. Naquela mesma noite passarei pelo Egito e matarei todos os primogênitos, tanto dos homens como dos animais, e executarei juízo sobre todos os deuses do Egito. Eu sou o SENHOR. O sangue será um sinal para indicar as casas em que vocês estiverem; quando eu vir o sangue, passarei adiante. A praga da destruição não os atingirá quando eu ferir o Egito." (Êx 12: 1-12, Bíblia Sagrada, Nova Versão Internacional, SBI, editora Vida, 1ª edição, 2000, p. 50).
Logo, páscoa significa redenção (libertação, livramento), Deus livrando da morte os primogênitos dos judeus, cujas portas de suas casas havia o sinal do sangue do cordeiro. Libertação porque a palavra, do hebraico pessach (literalmente, passagem), fez Deus passar o povo, a pés enchutos, pelo Mar Vermelho.
 Aquele cordeiro que foi morto, sacrificado, e o seu sangue posto sobre as vigas das portas, simbolizava Cristo, O Messias, o Rei de Israel, o Salvador, "O Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo", segundo João Batista (Evangelho de João, cap. 1, versículo 29). O cordeiro representava um sacrifício transitório, passageiro, vicário (substitutivo), pois o cordeiro morria em lugar do pecador. Jesus Cristo, ao contrário, fez um único Sacrifício, substituindo toda humanidade, recebendo em si a ira da condenação do pecado, libertando o pecador. Este é o verdadeiro sentido da páscoa. "Lançai fora o fermento velho, para que sejais uma nova massa, assim como sois sem fermento. Pois Cristo, nossa páscoa, foi sacrificado por nós." Portanto, é com razão que anunciamos: "Porque Deus amou o mundo de tal maneira, que deu Seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê, não pereça, mas tenha a vida eterna." (João 3:16). Entender isso é ser liberto da condenação eterna. O cordeiro ressuscitou ao terceiro dia e, em breve, voltará: "Eis que cedo venho!" (Apocalipse 22:7a). Maranata! Ora, vem, Senhor Jesus!

Hoje Cristo é a nossa páscoa (I Co 5.7) 
E hoje Cristo é a nossa páscoa, Ele deu seu sangue, Ele é o cordeiro macho e sem defeito. Ele cumpriu as Escrituras. Ele é nosso Amado Libertador e quer que alcancemos as promessas que abriu para nós, quando o véu se rasgou. "Buscai e achareis".