.

.

segunda-feira, 3 de abril de 2017

‘Depende de quem para em pé’, diz FHC sobre presidenciável tucano

Fernando Henrique Cardoso (FHC)
O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse nesta segunda-feira que é preciso ver “quem para e quem não para em pé” no PSDB antes de o partido decidir quem será o candidato da legenda a presidente da República em 2018.
A declaração foi dada em entrevista à rádio CBN, ao ser questionado quais o nomes do PSDB estão sob análise para a disputa eleitoral.  “Acho que, por enquanto, não tem ninguém sob análise. Não se sabe ainda o resultado da Lava Jato. Quem para e quem não para em pé. Vamos esperar um pouquinho”, disse.
Os três principais caciques do partido com aspiração a entrar na disputa presidencial estão no alvo da Lava Jato: o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e os senadores José Serra e Aécio Neves. A situação dos três tem aberto espaço no partido para o nome do prefeito de São Paulo, João Doria, que vem sendo cogitado como uma alternativa para a sucessão presidencial.
“Vai depender do desempenho dele (Doria). Essas coisas em política são assim (…). É um balão que está subindo. Se subiu, subiu. Lógico, o PSDB tem que ter pé no chão. Quem decide, no fundo, no fundo, quem será candidato não somos nós, é o eleitorado”, disse.
Recentemente, FHC e Doria tiveram um entrevero público após o ex-presidente dizer, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, que Alckmin é o tucano mais bem posicionado para disputar a Presidência e criticar o principal mote de Doria, de que é um gestor e não um político. “Se você for um gestor, não vai inspirar nada. Tem que ser líder”, disse.
Doria rebateu afirmando que FHC errou todos os prognósticos que fez sobre ele. “Respeito muito o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, mas eu só me lembro de que ele previu que eu não seria eleito nas prévias para ser candidato pelo PSDB. Apoiou outro candidato [Andrea Matarazzo], o que não muda minha admiração. Ele mesmo já confessou que, quando comecei campanha para prefeito de São Paulo, acreditava que eu não seria eleito. Venci as duas. Os dois primeiros prognósticos do FHC ele errou”, disse o prefeito.
Os nomes de Aécio, Alckmin e Serra foram citados nas delações de executivos e ex-executivos da Odebrecht – os pedidos do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para que sejam abertos inquéritos contra eles estão nas mãos do ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF).
Reportagem de VEJA desta semana revelou que Aécio, segundo colocado nas eleições presidenciais de 2014, atrás de Dilma Rousseff (PT), foi acusado pelo ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura Benedicto Júnior de ter recebido propina da empreiteira em uma conta em Nova York gerenciada por sua irmã Andrea Neves. O tucano nega.

2 comentários:

Anônimo disse...

Adriana você sabe dizer alguma coisa sobre o processo seletivo de Riachuelo.

Anônimo disse...

Alguém que sempre vê o blog Riachuelo em ação sabe me dizer se o vereador neguinho Gabi já está do lado da nossa prefeita por que falaram que iria passar um vereador para o lado da prefeita eu quero saber se e o vereador neguinho Gabi eu votei na prefeita e no vereador neguinho Gabi mais o vereador sumiu não veio mais por aqui