Twitter            

.

.

quinta-feira, 12 de julho de 2018

Antônio Jácome e Albert Dickson: famílias disputam eleitorado da Assembleia de Deus

Antônio Jácome e Albert Dickson: famílias disputam eleitorado da Assembleia de Deus
O tabuleiro político de alianças mexeu e uma aliança pontual entre as duas famílias que disputam votos na Assembleia de Deus foi consolidada. Ainda assim, tem tudo para confundir a cabeça dos eleitores.
A família Jácome controla o Podemos e anunciou apoiou à candidatura de Carlos Eduardo Alves (PDT). Já a família Dickson tem o controle do PROS e já embarcou no projeto de reeleição do governador Robinson Faria (PSD).
A aliança entre Antônio Jácome e Albert Dickson expõe o fracasso do modelo partidário brasileiro. Isso porque, mesmo “apoiando” candidatos diferentes para o Governo do Estado e compondo chapas opostas, Jácome pedirá voto para Carla Dickson e Carla Dickson pedirá votos para Jácome.
A eleição é pontual e envolve apenas as candidaturas de Carla Dickson para a Câmara dos Deputados e de Antônio Jácome para o Senado Federal. No pleito da Assembleia Legislativa, as duas famílias voltam a disputar os votos dos evangélicos.
Albert Dickson e Jacó Jácome frequentam a mesma igreja da Assembleia de Deus e já iniciaram a campanha interna na AD para garantir a reeleição. Jacó vive um paradoxo. Integra a chapa de Robinson Faria, mas para o Senado vai apoiar a candidatura do pai, Antônio Jácome, senador de Carlos Eduardo Alves.
Jacó e Albert travam uma disputa interna na Assembleia Legislativa pelo apoio dos evangélicos. Há histórias curiosas envolvendo os dois parlamentares. Em 13 de junho, por exemplo, a AL celebrou o Centenário da Assembleia de Deus.
Como forma de agradar pastores da denominação, Albert Dickson entregou 110 placas condecorativas aos líderes da AD. Quando soube, Jacó mandou providenciar 110 medalhas para presentear os mesmos pastores.
Sem Jácome na disputa, Carla Dickson navegará praticamente sozinha, entre os evangélicos, para a eleição na Câmara Federal.
A matemática mostra que os evangélicos até teriam peso para eleger um deputado federal, mas não conseguem garantir a eleição para o Senado de nenhum candidato.
Falta só combinar com os fiéis.

Nenhum comentário: