.

.

sexta-feira, 1 de julho de 2016

A BRILHANTE ENTREVISTA DO NOVO PRESIDENTE DO PMDB DE SÃO PAULO DO POTENGI: JOÃO MARIA CAMPOS

Nesta tarde, esta blogueira esteve na residência do novo presidente do PMDB, de São Paulo do Potengi, João Maria Campos, oportunidade em que nos foi concedida a seguinte entrevista.
Perguntado sobre o fato de assumir tão importante cargo, a presidência do Diretório Municipal do PMDB no município,
respondeu que sentiu-se muito honrado, em virtude do partido já ter sido capitaneado por grandes nomes da política local, como a ex-prefeita, Dona Nini Souto, pelo saudoso ex-vice-prefeito Luíz Antônio; e pelo ex-prefeito, de quatro mandatos, Azevedo, sem dúvida, com muita ansiedade e coragem para administrar esse grandioso partido.
Que terá, sempre ao seu lado, o ex-prefeito Azevedo, que continua no grupo político, no projeto da união PMDB e PDT.
Perguntado sobre os motivos que teriam levado o ex-prefeito Azevedo a entregar a presidência do Partido, que esteve sob sua direção há mais de vinte anos
, respondeu que a decisão teria sido a pedido da família do ex-prefeito e de seus advogados, em virtude de terem exposto sua imagem de forma desrespeitosa (chegaram a mostrar, nas redes sociais, do ex-prefeito num caixão e ainda com áudios de ameaça contra sua vida). Alguns opositores também duvidavam que o ex-prefeito fizesse essa aliança com o PDT, mas, ao contrário, no encontro na casa de Pacelli, mostrou-se entusiasmado e selou esta união, a qual deixou algumas pessoas insatisfeitas. Que a partir daí começaram as agressões nas redes sociais, com imagens e áudios ofensivos à pessoa do ex-prefeito.

Indagado sobre essa união entre o PMDB e o PDT, como teria sido o processo de início dessa aliança,
respondeu que essa aliança partiu das afinidades, em virtude do PMDB de São Paulo do Potengi já ter sido presidido pela ex-prefeita Dona Nini, uma pessoa de conduta ilibada na sociedade, conduta essa herdada pelo filho Pacelli, e o fato do ex-prefeito Azevedo, por ser um pesquisador, um excelente analista, que gosta de ouvir as pessoas, sempre indagava quem seria o nome ideal para governar a cidade de São Paulo do Potengi nas próximas eleições de 2016. E a população sugeria sempre o nome de Pacelli, posto que Azevedo sempre perquiria junto à população nomes ideais para essa aliança. Que já havia, também, dentro do próprio partido, três nomes à disposição.
Mediante essas especulações internas do partido, apareceu um fato novo que foi o rompimento de Pacelli com o prefeito Naldinho. Daí, realmente, se concretizou o que Azevedo ouvia nas ruas, nas suas indagações. A partir daí, formou-se então, essa aliança, tendo sido concretizada no último domingo, 26 de junho.
Perguntamos também como o presidente vê a questão do envolvimento da juventude de São Paulo do Potengi nesse projeto político que uniu PMDB e PDT,
respondeu que é da máxima importância esse envolvimento da juventude, que é muito importante cada partido ter sua militância de jovens; que, a nível nacional, movimentos sociais como as Diretas Já (1984) e os Caras Pintadas (1992), têm a cor da juventude, que foi às ruas.
A nível local, uma das primeiras conquistas do PMDB nessa conjuntura local, foi a filiação do professor Jefinho, que antes era filiado ao PSDB, porém, não concordando com algumas imposições daquele partido, veio se filiar ao nosso, vindo somar com muito entusiasmo esse novo ideal, trazendo consigo mais 30 jovens que também se filiaram ao partido.
O entrevistado falou também da importância da parceria do partido SOLIDARIEDADE - SD, que é presidido pelo jovem empresário Diogo Alves.
Que estão vindo também outros jovens, como também o PP, do jovem Plíno Brandão e Rômulo Dantas, este último presidente do PDT.
Finalizando nossa entrevista, João Maria agradeceu e disse que fazia um apelo à paz, para que cada candidato, cada apoiador, cada eleitor, se conscientizasse que vivemos um processo democrático, que nos respeitemos uns aos outros; que podemos ter ideologias políticas diferentes, mas que somos irmãos, no sentido de que todos somos seres humanos,
civilizados, que não precisa haver guerra, pois a política passa e as pessoas ficam. Que precisamos nos unir em prol da nossa segurança em nossa cidade, em nosso estado, que está muito a desejar, precisando do empenho de toda a sociedade. E pediu que Deus nos abençoasse a todos.

4 comentários:

Anônimo disse...

Que entrevista ridícula. Vc blogueira,devia escolher melhor suas palavras, .. brilhante em quê?? Rsrs. Esse senhor que se encontra presidente deste falido pmdb de São Paulo do Potengi, não tem voto pra eleger um síndico. Esse clamor da população por pacelle não existe em spp. Procure ser menos tendenciosa nesse seu blog, as pessoas de spp estão vendo o que tá acontecendo. Um acórdão pra que continue os mesmos no poder. Esquecendo o povo. App diz não ao acórdão. Diz não a Azevedo e pacelle representa a continuação do Naldinho.. Ele não Representa o povo. E sim meia dúzia que querem lotear a prefeitura. Esse tal de João Maria não Representa nada... o pmdb acabou de de acabar com ele...
Ps* tenha a ombridade de postar esse comentário..

Anônimo disse...

Grande potência política de SPP...esse, se saí pra vereador não tem 100 votos.

O PMDB tá enterrado faz tempo em SPP e vai levar o coitado de PACELLI junto.

Anônimo disse...

João Maria Campos é daqueles que não concorre às eleições, mas sabe tudo de política local. É um dos raros casos de inteligência política que trabalha nos bastidores. A candidatura de Pacelli tem a mão invisível de João Maria na articulação com o PMDB. Pena que esse talento não prioriza a questão social, mas, sim, a politicagem local. João Maria Campos é um talento da política de bastidores, é um mago da politicagem, talento, no entanto, utilizado para o bem das oligarquias. Uma pena.

Anônimo disse...

João Maria Campos é daqueles que não concorre às eleições, mas sabe tudo de política local. É um dos raros casos de inteligência política que trabalha nos bastidores. A candidatura de Pacelli tem a mão invisível de João Maria na articulação com o PMDB. Pena que esse talento não prioriza a questão social, mas, sim, a politicagem local. João Maria Campos é um talento da política de bastidores, é um mago da politicagem, talento, no entanto, utilizado para o bem das oligarquias. Uma pena.