Twitter            

.

.

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Deputados e senadores da oposição pedem impeachment de Temer após depoimento de Calero


Deputados e senadores da oposição reagiram ao vazamento de informações do depoimento prestado à Polícia Federal do ex-ministro da Cultura, Marcelo Calero.
Com base nas informações divulgadas, eles pedem o impeachment do presidente Michel Temer por tentar “enquadrar” o agora ex-ministro por não atender a um pedido de Geddel Vieira Lima, ministro da Secretaria de Governo.
Calero acusou o presidente de tê-lo pressionado a solucionar o entrave do prédio La Vue, em Salvador, que teve uma licença cassada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) por ter mais andares previstos do que o permitido para uma área tombada. Segundo a Folha de S. Paulo, o senador Lindbergh Farias (PT-RJ) acusou Temer de usar a presidência para atender a interesses privados.
“Absurdo. No nosso entendimento, Temer vai ter que responder processo por crime de responsabilidade para ser julgado pelo Congresso”, criticou.
O petista já se reuniu com a assessoria jurídica do partido e prometeu protocolar o pedido de impeachment nos próximos dias. O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) também acredita que a situação é motivo para o afastamento do presidente. “Se isso não for razão para impeachment, nada mais é. O presidente da República se envolveu diretamente em um negócio ilícito e privado de um ministro seu. Eu vou propor para a oposição que apresente pedido de impeachment do Michel Temer. Isso é crime de responsabilidade na veia”, avaliou.
Na Câmara , o deputado federal Jorge Solla (PT-BA), autor dos requerimentos para convocar Geddel e convidar Calero a prestarem depoimentos, disse que vai acionar a Procuradoria-Geral da República (PGR).
“É um presidente da República pressionando um ministro para atender interesses patrimoniais de outro ministro. É muito grave”, afirmou Solla. “Se já era uma coisa complicada, não só ilegal, mas escandalosa a postura de Geddel, isso partindo de um presidente, mesmo sendo golpista, tem que ser rechaçado”, completou.

Nenhum comentário: