.

.

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Temer decreta uso de militares para conter protesto em Brasília

Fora Temer

Em meio aos protestos contra o presidente Michel Temer (PMDB) que terminaram em confronto entre manifestantes e policias militares em Brasília, o ministro da Defesa, Raul Jungmann (PPS) declarou que Temer determinou, a pedido do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), uma ação de Garantia da Lei e da Ordem, que permite a convocação de tropas do Exército e da Força Nacional para atuação na segurança pública. Os protestos, que pediam a saída de Temer do cargo diante das revelações das delações premiadas de executivos da JBS, tiveram vandalismo e depredação de prédios de ministérios.

“Uma manifestação que estava prevista como pacífica degringolou na violência, no vandalismo, na agressão ao patrimônio público e na ameaça às pessoas, muitas delas servidores que se encontram aterrorizados, dos quais garantimos a evacuação dos prédios. O senhor presidente da República solicitou, a pedido do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, uma ação de garantia da lei e da ordem. Nesse instante, tropas federais se encontram nesse Palácio, no Palácio do Itamaraty e logo mais estão chegando tropas para assegurar que os prédios dos ministérios sejam mantidos. O presidente faz questão de ressaltar é inaceitável a baderna e o descontrole e que ele não permitirá que atos como esse venham a turbar os processos que se desenvolvem de forma democrática e com respeito às instituições”, afirmou Jungmann.

Durante os confrontos entre militantes e policiais, os prédios dos ministérios da Agricultura, da Cultura e do Planejamento tiveram focos de incêndio e manifestantes também tentaram invadir o Ministério da Ciência e Tecnologia. Outros ministérios foram alvos de depredação. Todos os prédios da Esplanada dos Ministérios estão sendo evacuados por questão de segurança. O Gabinete de Segurança Institucional (GSI) deu início a um protocolo que prevê a liberação dos servidores.

3 comentários:

Anônimo disse...

Quem coordena, que organização está por trás de mobilizar 500 ônibus, alimentar, pagar, uniformizar milhares de pessoas (que não estão trabalhando numa quarta feira), coordenar uma estrutura de comando logístico, político e financeiro para esta operação (chamada eufemisticamente de manifestação)? Será que os serviços de inteligência (legais) estão sabendo dos passos desta milícia paralela que cresce no Brasil fora do alcance das leis? Até quando vamos tolerar isto?

Anônimo disse...

"Não são essas bombinhas que jogam em nós que vão tirar o brio dos trabalhadores do Brasil" ... Que trabalhadores? Trabalhadores a ESSA HORA estão trabalhando.

Anônimo disse...

interessante: os senadores do pete e a deputada federal estão envolvidos até o pescoço com desvio do dinheiro público, propina e caixa dois ilegal...será que estão tentando se disfarçar na multidão para não serem presos?