Twitter            

.

.

sábado, 3 de junho de 2017

Planalto já trabalha com cenário de delação de Loures depois de prisão

Resultado de imagem para Polícia Federal prende ex-deputado Rodrigo Rocha Loures em Brasília
Apesar da posição da defesa, o Palácio do Planalto já trabalha com o cenário de delação rápida do suplente de deputado Rodrigo Rocha Loures depois da prisão. A avaliação de interlocutores do presidente Michel Temer é de que Loures não tem perfil de resistir por muito tempo dentro da prisão. 

Por isso, a preocupação no núcleo palaciano é com a possibilidade de uma eventual delação criar um fato político novo. Tanto que o presidente Michel Temer decidiu voltar ontem mesmo para Brasília depois do encontro com o governador tucano Geraldo Alckmin, em São Paulo.

Já havia a expectativa no governo que Loures poderia ser preso a qualquer momento depois do pedido da Procuradoria Geral da República (PGR) na quinta-feira (1º), com o argumento de ele não era mais deputado e que, por isso, não tinha mais o foro privilegiado. 

O grande temor no governo é sobre o que Loures pode falar. O discurso preventivo no Planalto é que o ex-assessor agia por conta própria ao pegar propina de R$ 500 mil com a JBS. Mas houve um esforço do governo para monitorar Loures nesses últimos dias que está sendo pressionado pela família a fazer uma delação.

Loures perdeu o mandato de deputado depois que o ex-ministro da Justiça Osmar Serraglio reassumiu sua vaga na Câmara. Houve uma tentativa frustrada de nomear outro deputado da bancada do PMDB do Paraná para um ministério, e com isso, manter o foro especial de Loures.

"Uma coisa é ficar em silêncio livre. Outra coisa é ficar em silêncio na prisão. Isso é muito mais difícil. Rocha Loures já estava sendo pressionado a falar pela família. Agora, isso vai aumentar", disse ao Blog um interlocutor de Temer.

Nenhum comentário: