terça-feira, 10 de setembro de 2019

Professora LGBT de escola confessa objetivo: “Destruir a heteronormatividade



Elly Barnes, fundadora da Educate and Celebrate, descreve a sua organização como uma “instituição de caridade” que “transforma escolas” em lugares favoráveis ​​ao público LGBTQ.


De acordo com Barnes, isso significa que a organização “treina predominantemente professores” para ser “confiante na linguagem da identidade de gênero e orientação sexual”.

O objetivo é garantir que a ideologia LGBTQ seja uma “ocorrência cotidiana dentro da escola”. Mas a “linha de fundo”, como coloca Barnes, é treinar professores para “destruir completamente a heteronormatividade”.


Sarah Hopson, professora primária de Warrington, é um exemplo perfeito. No ano passado, Hopson disse à BBC que ela condiciona crianças de até seis anos para aceitarem a ideologia LGBTQ enquanto ainda são jovens e impressionáveis, então é menos provável que aceitem uma visão cristã da sexualidade mais tarde na vida.

"Quanto mais eles puderem aceitar a 'diversidade' nessa idade - você não vai encarar isso mais adiante, porque as crianças aceitarão agora e aceitarão essa diversidade ao seu redor", disse



Um método que Hopson emprega é exigir que seus jovens alunos escrevam uma carta de amor gay de um personagem masculino para outro personagem masculino. A escola também adotou uniformes “não específicos de gênero”.

Psicóloga faz grave alerta
Especialista em Saúde Mental e uma das principais vozes no combate à ideologia de gênero no Brasil, a psicóloga Marisa Lobo falou ao Opinião Crítica sobre a doutrinação escolar de crianças em prol das ideologias LGBTs.

"Quando publiquei o livro 'Ideologia de Gênero da Educação' o ativismo LGBTQ tentou me calar, exatamente porque denunciei a estratégia desses militantes, que é deixar o confronto direto com os adultos para investir nas crianças, já que são inocentes e não oferecem resistência", disse Marisa.

"A escola é o ambiente perfeito para esse tipo de doutrinação, porque os alunos são uma plateia cativa, sem poder de escolha. O professor-militante que deixa de ensinar para doutrinar, faz dos alunos reféns da sua visão de mundo, confrontando diretamente a educação que essas crianças recebem dos pais em casa", destacou a psicóloga.

Diante dessa problemática, Marisa Lobo defende a importância do movimento Escola Sem Partido e diz que os pais precisam ficar atentos ao que os filhos aprendem na escola, dispostos a reagir sempre que for preciso, uma vez que há dispositivos na legislação que protegem a liberdade educacional da família e limitam o poder de interferência da escola.

"Uma vez que esse tipo de doutrinação é uma realidade, os pais precisam acompanhar o ensino escolar dos filhos, procurando saber quem são os professores, quais tarefas eles estão recomendando, atividades em grupo, etc. Eles podem ir à escola conversar com a direção, expressar essa preocupação e conhecer a visão que a própria instituição possui a respeito. Na maioria das vezes, isso fica evidente na forma como os profissionais reagem", disse Marisa.

"Em caráter nacional, movimentos como o Escola Sem Partido são importantes e devemos apoiar. Não é algo partidário, nem ideológico, mas justamente o contrário disso. É algo pelo ensino focado nos conteúdos didáticos, separando o que é competência moral da família e dever do professor. Os pais precisam entender isso externar o apoio a esse projeto, até que ele seja regulamentado nacionalmente pelo governo", conclui a psicóloga.

3 comentários:

Sou contrária a Ideologia de Gêneros nas escolas. As crianças não tem formação psicológica para saberem se são meninos ou meninas, homem /mulher. Isso cabe as famílias instruírem e dialogar. E diferentemente do que Elli Barnes fala, que as "...crianças de até seis anos para aceitarem a ideologia LGBTQ enquanto ainda são jovens e impressionáveis, então é menos provável que aceitem uma visão cristã da sexualidade mais tarde na vida..." é o maior absurdo a escola e o Governo que optar por este método, crianças e adolescentes não tem intelecto formado para esta escolha. Não é só religiosidade, é mental, confusão mental, na cabecinha deles.

Sou contrária a Ideologia de Gêneros nas escolas. As crianças não tem formação psicológica para saberem se são meninos ou meninas, homem /mulher. Isso cabe as famílias instruírem e dialogar. E diferentemente do que Elli Barnes fala, que as "...crianças de até seis anos para aceitarem a ideologia LGBTQ enquanto ainda são jovens e impressionáveis, então é menos provável que aceitem uma visão cristã da sexualidade mais tarde na vida..." é o maior absurdo a escola e o Governo que optar por este método, crianças e adolescentes não tem intelecto formado para esta escolha. Não é só religiosidade, é mental, confusão mental, na cabecinha deles.

Por que essa imposição de ideologia de gêneros? A escola é lugar para ensinar português, matemática e as demais matérias. Quando crescerem as pessoas façam o que quiserem de suas vidas, mas enquanto crianças os pais são responsáveis pela sua orientação sexual. Nada de imposição da escola. Deus criou macho e fêmea. Esses que defendem a ideologia de gênero nasceram de um casal hétero.